Álcool e medicamentos: 3 problemas que podem surgir

Praticamente todas as pessoas já ouviram falar sobre as restrições que existem sobre o consumo simultâneo de álcool e medicamentos. Sempre ouvimos médicos e demais profissionais da saúde alertando sobre os riscos, sendo que em alguns casos é informada a possibilidade de óbito.

Nos últimos anos, o consumo médio de álcool aumentou consideravelmente em algumas localidades, em especial no Brasil, que segue como um dos países que apresenta um grande consumo de bebidas alcoólicas por indivíduo.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, o consumo médio de um brasileiro é de 7,8 litros por ano, enquanto a média mundial fica em torno de 6,4 litros. Esses dados geram um alerta principalmente para aqueles que fazem uso de remédios para algum tipo de tratamento ou sintoma durante o cotidiano.

Abaixo, falaremos mais sobre alguns dos principais problemas que podem ocorrer com a ingestão conjunta de bebidas alcoólicas e medicamentos. Pronto para saber mais a respeito? Continue sua leitura!

1. Aumento do efeito sedativo

Um dos principais problemas que podem ocorrer ao ingerir bebidas alcoólicas durante a utilização de algum remédio é o aumento do efeito sedativo.

Essa informação é de vital importância para quem faz o uso de antidepressivos e substâncias semelhantes, uma vez que seu uso é constante e deve ser mantido para que os resultados esperados do tratamento sejam alcançados.

Além disso, o álcool ajuda a diminuir a eficácia dos antidepressivos, fazendo com que surjam grandes problemas no bem-estar de quem precisa das medicações. O mesmo vale para quem faz uso de ansiolíticos, os famosos “calmantes” que muitas pessoas consomem em momentos estressantes.

2. Possibilidade de intoxicação

Para quem faz uso de anticonvulsivante, a combinação com o álcool pode gerar graves problemas. O primeiro deles é o aumento dos efeitos colaterais, e o segundo é o risco de intoxicação que passa a se tornar sensivelmente maior.

Assim como no caso dos antidepressivos, a medicação também passa a ter seu efeito reduzido, o que é um verdadeiro pesadelo para quem precisa combater crises de epilepsia. Vale ressaltar que o risco aumentado para intoxicação não é exclusivo dos remédios anticonvulsivantes — outros tipos de medicação também podem causar esse problema, como antibióticos.

3. Surgimento de vertigens, dores de cabeça e outros sintomas desagradáveis

Além dos dois problemas anteriores, saiba que podem aparecer inúmeros sintomas desagradáveis quando as bebidas alcoólicas são inclusas em um tratamento.

Vertigens, dores de cabeça, hipotensão, surgimento de úlceras, fraqueza, confusão e uma série de outras sensações podem aparecer e, como você deve imaginar, cada um desses sinais está relacionado ao tipo de medicamento ingerido.

Outro agravante é que em muitos casos a pessoa pode confundir esses efeitos com a sensação de se encontrar alcoolizado ou de ressaca, o que aumenta ainda mais o risco. Em casos graves, pode haver a necessidade de internação para que haja controle do mal-estar do paciente.

Tenha em mente que, em hipótese alguma, medicamentos devem ser ingeridos em conjunto de bebidas alcoólicas. Vários estudos apontam a diminuição da longevidade, entre inúmeros outros riscos para saúde que não mencionamos aqui.

Gostou de nosso post sobre álcool e medicamentos? Que tal assinar nossa newsletter para não perder mais conteúdos como este?

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.