O que provoca a síndrome do pânico? Saiba aqui

A Síndrome do Pânico é um transtorno de ansiedade muito comum, caracterizada por uma crise inesperada de desespero, insegurança e medo, aparentemente sem qualquer risco real. O episódio é marcado por crises de ansiedade inexplicáveis, que estão associados a sintomas físicos parecidos com os de um ataque cardíaco. Por afetar várias pessoas, muitos se perguntam o que provoca a Síndrome do Pânico.

Em geral, os indivíduos com esse quadro permanecem preocupados constantemente com o medo de um ataque recorrente. No entanto, ele pode acontecer inesperadamente, inclusive durante o sono. As crises causam sintomas psicológicos e físicos, trazendo prejuízos à manutenção das atividades normais do dia a dia.

Se você deseja saber quais são os sintomas, as causas e o tratamento para a Síndrome do Pânico, não perca nosso post. Boa leitura!

[]
1 Step 1
Que tal receber ofertas e matérias com prioridade?
Seu Nome
Previous
Next

Quais são os sintomas?

A Síndrome do Pânico pode ocorrer a qualquer momento e em qualquer lugar. O indivíduo se sente sobrecarregado e aterrorizado, mesmo que não haja perigo. Logo, trata-se de um intenso desconforto que pode atingir o pico em pouco tempo.

Geralmente, o ataque passa em 10 minutos, mas também pode durar horas. Caso não seja tratada, a síndrome leva à agorafobia, um medo constante de estar fora ou em lugares fechados. O ataque começa de repente e apresenta pelo menos 4 dos seguintes sintomas:

  • onda de calafrio e calor;
  • vertigem ou tontura;
  • náusea;
  • sudorese;
  • sensação de sufocamento e falta de ar;
  • taquicardia e palpitação;
  • desconforto ou dor no peito que se confundem com o infarto;
  • despersonalização (impressão de desligamento do mundo exterior, como se tivesse vivendo um sonho);
  • medo de enlouquecer ou de perder o controle;
  • medo de morrer;
  • abalos e tremores.

O que provoca a Síndrome do Pânico?

Ainda não há um consenso sobre o que provoca a Síndrome do Pânico, mas existem fatores que influenciam esse comportamento. Ela está associada a transições significativas que acontecem na vida, como ter o primeiro filho, casar ou deixar a casa dos pais para estudar. Essas são as causas principais que podem criar estresse e levar ao desenvolvimento do transtorno.

Outros fatores de risco que desencadeiam o problema incluem:

  • má aceitação de erros e perfeccionismo;
  • ocupação constante;
  • repressão de sentimentos pessoais negativos;
  • altas expectativas;
  • tendência a excesso de preocupação;
  • histórico de abuso e violência na infância;
  • morte ou situação de doença de algum conhecido querido.

Qual é o tratamento?

O tratamento do problema inclui o uso de medicamentos antidepressivos e a psicoterapia, principalmente a abordagem cognitivo-comportamental. Esse tipo combina duas frentes:

  • cognitiva: reconhece o estímulo desencadeador específico e interno, como sensações, emoções e pensamentos, e leva à modificação do padrão de interpretação;
  • comportamental: resulta na mudança de comportamento disfuncional do indivíduo, com isso, tende a restabelecer o bem-estar e a qualidade de vida.

Embora a psicoterapia seja bastante eficaz, em algumas situações os profissionais podem recomendar um trabalho multidisciplinar entre psiquiatras e psicólogos.

Agora que você já sabe o que provoca a Síndrome do Pânico, é importante ficar atento aos sintomas e procurar tratamento médico. Por isso, busque a ajuda de um profissional para lidar com esse tipo de problema.

Gostou deste post? Você já sofreu com a Síndrome do Pânico? Deixe um comentário contando sua história para a gente.

Quer receber mais conteúdos como esse gratuitamente?

Cadastre-se para receber os nossos conteúdos por e-mail.

Email registrado com sucesso
Opa! E-mail inválido, verifique se o e-mail está correto.

Fale o que você pensa

O seu endereço de e-mail não será publicado.